.

RN registra três vezes mais mortes de grávidas por Covid em 2021 do que em 2020

JBelmont

24Jul2021

Por Belmont às 08h03

Ana Karine, de 36 anos, precisou fazer parto de urgência e morreu com Covid-19 (Natal RN ) — Foto: Divulgação



Amanda Gabriela Lima, de 30 anos. Flávia Roberta do Nascimento Negreiros, de 33. Ana Karine, de 36. Essas três potiguares viveram uma história, sem final feliz, em comum: grávidas, contraíram Covid e não resistiram à doença. Elas sequer chegaram conhecer os filhos recém-nascidos em partos de emergência.

As três fazem parte de um número que praticamente triplicou no Rio Grande do Norte em 2021 em comparação com 2020: a de grávidas vítimas fatais da Covid.

Entre janeiro e 20 de julho deste ano, 41 grávidas ou puérperas morreram pela doença no estado, um número 192% maior que os 14 óbitos registra dos no ano anterior. Alguns bebês se salvaram - outros não.

O levantamento é do Instituto Santos Dumont (ISD), com base em dados da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap).

Grávidas e puérperas integram o grupo de risco para o novo coronavírus, e o ISD, através do Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (Anita), em Macaíba, desenvolve ações com o objetivo de reduzir a mortalidade materno-infantil.

“A gestação é um grande fator de risco para a Covid-19. Aumenta a chance de complicação, mesmo que a gestante não tenha outras comorbidades, e aumenta, também, a chance dela morrer. Por isso, a gente precisa proteger e vacinar as gestantes”, explicou a infectologista Carolina Damásio, preceptora do ISD.
Ela relata,

Ela relata, ainda, que as mulheres grávidas que procuravam atendimento nas unidades de saúde no Estado já apresentavam sintomas graves. “Elas chegavam com dificuldade de orientação, de monitoramento no início do tratamento e chegavam aos hospitais bem mais graves, necessitando de intubação”, declarou a infectologista do ISD.

Um desses casos graves chegou até a própria infectologista. A dona de casa Maria Aparecida Camilo de Souza, de 39 anos foi atendida por Carolina Damásio depois de dar entrada por duas vezes na UPA de Macaíba com sintomas respiratórios e não ser internada.

Ao constatar o agravamento da doença, a médica encaminhou Maria Aparecida ao Hospital Giselda Trigueiro, em Natal.

Ela foi internada em um leito de UTI, mas morreu poucos dias depois. Maria Aparecida estava grávida de seis meses, e passou por uma cesárea de emergência. O bebê nasceu vivo, mas também não resistiu.

CONTINUAR LENDO AQUI

G1 RN

 

Deixe seu comentário

Perfil do Blogueiro

JBelmont
José J Belmont Natural de São José de Campestre RN Radialista, ex vereador de Mossoró e ex deputado estad…
Leia +