Garota Brunninha sofre parada cardíaca no final da tarde deste domingo, não resiste e falece

JBelmont

07Abr2019

Por Belmont às 21h40


Corpo de menina de 7 anos que morreu após transplante de coração é velado no interior do RN

 

Brunna Silveira Lopes foi transferida do Rio Grande do Norte para Pernambuco, onde realizou o procedimento na quinta-feira (4). O óbito foi confirmado neste domingo (7).

A menina Brunna Silveira Lopes, de 7 anos, está sendo velada na cidade de Serrinha, interior do Rio Grande do Norte, nesta segunda-feira (8). Ela morreu na tarde do domingo (7), após fazer um transplante de coração no Recife. O enterro está marcado para as 16h. 


A garota tinha uma cardiopatia grave e saiu do Rio Grande do Norte, onde morava com a família, para se submeter ao procedimento cirúrgico. Por meio de nota, a direção do Instituto de Medicina Integral Fernando Figueira (Imip), onde ela realizou o transplante, informou que Brunna morreu no fim da tarde. A unidade de saúde disse ainda que “prestou toda a assistência necessária para a criança e para a família dela”.

Brunna foi para o Recife em um voo da Força Aérea Brasileira (FAB) na tarde da quarta-feira (3). O transplante ocorreu na madrugada da quinta (4). Na tarde do mesmo dia, a garota passou por uma nova cirurgia para conter um sangramento.

Segundo o médico Madson Vidal, que acompanhou a menina do RN, Brunna nasceu com um problema chamado “transposição das grandes artérias” e passou por uma cirurgia paliativa ainda quando bebê. Há 21 dias, porém, ela precisou passar por um novo procedimento para melhorar a sua oxigenação, porque seu tom de pele estava cada vez mais "roxo". Neste novo procedimento, no entanto, o coração não suportou a circulação.

Brunna, que era paciente do Sistema Único de Saúde (SUS), sobrevivia por estar ligada a uma máquina de "oxigenação por membrana extracorpórea", conhecida como ECMO. Ela chegou a ser retirada dos tubos, mas não teve resistência para ficar sequer oito horas longe dos aparelhos.

Repercussão
O caso de Brunninha ganhou repercussão nas redes sociais após um desabafo do médico Madson Vidal, que representa a Associação Amigos do Coração da Criança (Amico), atendendo a crianças com cardiopatias.

“Não se deveria fazer contas ou haver 'burocracias' para tentar salvar uma vida. Estamos com uma menina linda com seu coraçaozinho, que não funciona mais, conectado através de tubos a uma máquina (ECMO) para que ela não morra. Ela precisa fazer um transplante de coração para continuar lutando para viver, mas a Central Nacional de Transplantes negou que a equipe de transplante do @hospitalriogrande a listasse para ser transplantada aqui em Natal, porque o credenciamento do hospital não foi finalizado”, dizia o médico.

“Queremos que o poder público se responsabilize pela criança autorizando o transplante em Natal ou ofereça essa possibilidade em outro estado e faça o transporte em UTI aérea. O sangue dela é B- (raro), e a máquina não funciona por tempo indeterminado, e esse tempo perdido pode determinar a impossibilidade do transplante. Vamos lutar para que Brunninha tenha pelo menos a chance de tentar o transplante”, afirmou Madson, que pediu que a menina se torna-se prioridade nacional para transplante.

Deixe seu comentário
Insira os caracteres conforme a imagem acima.

Perfil do Blogueiro

JBelmont
José J Belmont Natural de São José de Campestre RN Radialista, ex vereador de Mossoró e ex deputado estad…
Leia +