Policial é preso suspeito de integrar grupo responsável por mais de 50 mortes no RN em 2017

JBelmont

10Out2017

Por Belmont às 14h31

Agente atuava na delegacia de São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal. Outras duas pessoas também foram presas.

 

Um agente da Polícia Civil foi preso na manhã desta terça-feira (10) suspeito de fazer parte de um grupo de extermínio responsável por mais de 50 assassinatos que aconteceram somente este ano em Ceará-Mirim, na Grande Natal. As informações são do Ministério Público.

 

Além dele, também foram cumpridos mandados de prisão preventiva contra um vigilante e uma mulher. Como o processo está sob segredo de Justiça, os nomes não foram divulgados.

 

Segundo apurado pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e pela Força Nacional (FN), o policial civil, que trabalha na delegacia de São Gonçalo do Amarante, também na Grande Natal, usava o cargo para orquestrar crimes e prejudicar as investigações. O grupo de extermínio que ele integra, segundo o MP, é apontado como responsável por mais de 50 assassinatos somente este ano em Ceará-Mirim.

 

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRN apurou que a maioria dos homicídios ocorridos este ano em Ceará-Mirim tem a mesma característica: as vítimas são mortas quase sempre nos mesmos horários, após arrombamento das casas onde estavam, são pessoas ligadas a atos ilícitos e são executadas de forma brutal, geralmente com tiros na cabeça e na região cervical. Além disso, os assassinos utilizam roupas pretas e capuz para dificultar a identificação.

 

O Ministério Público já apresentou denúncia contra os três presos. Na investigação, o MPRN mostra a necessidade da prisão deles para a garantia da ordem pública. "Isso devido à periculosidade do agente e à sua acentuada propensão para, em liberdade, praticar outros delitos", informou o M

Deixe seu comentário
Insira os caracteres conforme a imagem acima.